Chegar aos 18 anos e ver o ensino secundário a chegar ao fim, só pode significar uma coisa: vem aí o futuro e há que escolher o que fazer, seguindo ou não o caminho do ensino superior. Antes de ingressar na universidade, cada jovem tem de escolher o que quer fazer. Esta não pode ser uma decisão escolhida com leviandade porque escolher o curso determina escolher uma área profissional que pode, na maioria das vezes, ser a área profissional que alguém escolhe para a sua vida inteira. Na prática, nenhum curso ou profissão são para a vida, mas há que fazer uma boa escolha e determinar o que pode ou não ser bom para o futuro.

Atualmente, a oferta de áreas de estudo é muito vasta e nem sempre os cursos têm as saídas profissionais que muitos jovens ambicionam, por diferentes razões: mercado lotado, cursos pouco especializados ou falta de saídas profissionais. Na hora de preencher a candidatura da universidade, cada futuro aluno deve repensar a sua escolha e perceber quais são os melhores cursos e as melhores universidades.

Cursos com Maior Empregabilidade em Portugal

Atualmente as ciências são a opção certa na hora de assinalar o curso a escolher. Seja na área da saúde ou da informática, existe sempre um mercado pronto para receber novos trabalhadores. Em áreas profissionais mais especializadas, também é mais fácil encontrar emprego quando se acaba a formação. Cursos nas áreas de restauração, cozinha e indústria acabam sempre por ter maiores perspetivas de emprego.

O que não falha em primeiro lugar é mesmo Medicina. Em Portugal, é certo que, por enquanto, quem tira este curso, consegue arranjar emprego de forma rápida. Todas as universidades portuguesas onde existe este curso registam empregabilidade a quase 100%. Entre outros cursos com desemprego zero estão também Física, Ambiente e Eletrónica. Mais precisamente, os cursos de Ambientes Naturais e Eletrónica e Automação, que registam taxas muito pequenas de desemprego. As áreas da saúde e dos números registam sempre maior oferta de emprego, como é o caso das Matemáticas e das Ciências Veterinárias. Existem diferentes razões para isto acontecer que não têm a ver apenas com a oferta no mercado de trabalho. Tem também a ver com a procura de cursos. Os cursos cujos exames de entrada são Matemática ou Física/ Química registam menos entradas de alunos, daí a justificação para que nestas áreas também se encontre menos desemprego. Quanto menos alunos, menor a competição no acesso ao mercado de trabalho.

Cursos com Maior Empregabilidade em Portugal

Há também que escolher as universidades certas quando o curso a escolher não figura nestas áreas. Medicina é exceção: seja qual for a universidade portuguesa em que este curso esteja, a taxa de desemprego dos diplomados é muito pequena ou quase nula. Noutros casos, as Universidades de Lisboa, de Aveiro, Coimbra e Porto são as que melhor reputação têm na hora de colocar os seus licenciados no mercado de trabalho. É o caso do curso de Engenharia Eletrónica na Universidade de Lisboa, o curso da Faculdade de Ciências do Porto, o curso de Biologia e Geologia da Universidade de Aveiro e Engenharia Informática no Instituto Politécnico de Coimbra. As universidades do interior também estão bem cotadas nas áreas das Engenharias. Na hora de entrar na universidade, estes são os cursos, as áreas e as universidades que deve escolher de modo a aumentar as suas chances de empregabilidade.




Quer receber Ofertas de Formação exclusivas via Email? Então registe-se gratuitamente colocando o seu nome e email abaixo: